Home

FERRO (1)Para os meus mais queridos amigos

 

Dentro de mim brota uma energia boa e positiva que irradia nos movimentos dos momentos. Estou protegido perante as cargas mais negativas que me assolam e que desistem perante este escudo invisível e invencível que me torna cada vez mais forte.

Estou feliz por ir bem dentro de mim, bem dentro da minha alma e por ter descoberto esta pessoa boa, sensível e criativa que sou.

Os cinquenta e cinco trouxeram-me muitas experiências, talvez mais do que aquelas que os meus amigos possam pensar, experiências diferentes com diferentes sentimentos e diferentes reacções.

Nunca se passa por tudo, mas por vezes passa-se por um pouco de tudo, atendendo que o tudo, é uma parcela ínfima daquele pequeno mundo em que habitamos e vivemos.

No momento em que somos bombardeados pelas situações mais deprimentes, na maior falta de respeito pelo homem, pelos seus princípios e direitos, no momento em que a mediocridade se torna vedeta e tem estatuto, são esquecidos os pensamentos mais profundos que nos obrigam por vezes a protelar o justo descanso noctívago. Somos acometidos por interrogações como se uma sucessiva epidemia de entradas de diferentes páginas da internet invadisse o nosso computador. Acende-se uma luz e os nossos olhos vêem o óbvio e o simples de uma forma nova e diferente, acessível e natural.

Nestes últimos meses tem havido respostas a perguntas que não faziam parte do nosso quotidiano encaminhando-nos no sentido de uma urgente mudança. Tudo de repente mudou, o seguro tornou-se inseguro de um momento para o outro, sem sequer dar espaço à lógica de uma lógica que nos foi enraizada desde que nascemos e nos obrigou a acobardarmos muitos dos nossos sentimentos mais profundos e verdadeiros.

Nesta passagem em que a duplicidade familiar entre a família que nos foi imposta – pai, mãe; e a que escolhemos – amigos, se torna cada vez mais imperiosa e de extrema sensibilidade, para um perfeito equilíbrio entre os vários sentimentos que o nosso coração consegue albergar, resta-nos a escolha dos bons momentos e deixar fluir as energias, sem pressas e sem receios.

O medo foi um dos meus maiores inimigos e durante mais de cinquenta anos levou sempre a melhor sobre mim, até ao momento em que experimentei conhecê-lo e oferecer-lhe resistência. Toda esta transformação prazerosa, toda esta alegria na mudança, eu quero partilhá-la convosco, com os meus mais queridos amigos.

Quando resolvi abandonar um emprego e uma posição social de relevo e partir à aventura de mim próprio, fi-lo sem medos e sem receios, um pouco irreflectidamente, mas com uma força interior que desconhecia e marcava de forma decisiva a minha deliberação.

Deflagrou uma guerra que abalou a economia mundial, a política sofreu uma mudança inesperada e até o futebol trocou as voltas nas posições dos clubes, surpreendendo, os seus  mais directos aficcionados.

Afinal não fui o único a mudar, mudei eu e o mundo à minha volta fez-me companhia. Fui aprendendo a respirar e a ser eficiente sem correr demasiado sem sentido e com uma eficiência surpreendente nos resultados alcançados. A acompanhar este renascimento da minha personalidade foi-me dada a fórmula da felicidade e eu quero partilhá-la com vocês os meus queridos amigos, para que cada um lhe pudesse dar o direccionamento possível. As tentações e os maus pensamentos enfrentaram a espada da luz e sucumbiram. Timidamente  fui testando os resultados positivos que me fizeram sorrir e voltar a descortinar a luminosidade e o calor do sol por entre as nuvens mais densas. Sinto-me tão bem e tão auto-confiante que apenas agora entendo a ousadia que me levou ao Oriente e às inúmeras realizações que criei que vi nascer que vi crescer e perpetuar.

Estou confiante no meu sucesso como homem na busca do melhor que habita no meu coração e com a transmissão do meu sorriso para com os seres que respiram parte do ar que é de todos e que a todos pertence.

Sinto-me tão bem perto dos meus mais queridos amigos que vos abraço num abraço infinito de lealdade, amizade e amor.

Convosco partilho as curas para o corpo (óleo de girassol, caldo verde, etc…), as curas para a alma (orações, limpezas espirituais, etc…) Não acredita na alma… Não precisa sequer de abrir a pasta.

Convosco partilho as minhas escritas (passamentos, poesias, contos, crónicas e artigos diversos, etc…)

Convosco partilho a minha música, os meus discos (“Crepúsculo do Vinho” com o KAF – Kinteto António Ferro, “Sinais de Yuanju” com Wong On Yuen e um disco que infelizmente não chegou a ser editado “Bronx na Mouraria” com o falecido Carlos Azevedo e o Paleca).

Partilho outros discos que gravei, outras músicas…

Convosco partilho a minha vida.

Obrigado pela vossa visita e espero pelas vossas sugestões, é só enviar um email que eu respondo.

Como dizia o Raul Solnado:

Façam o favor de serem felizes