Projetos Musicais

Propostas Musicais para 2016

MÓNICA FERRAZ

Mónica Ferraz

 

Depois do estrondoso êxito de Go Go Go e Golden Days

Go Go Go

https://www.youtube.com/watch?v=aETjD92F8TA

Golden Days

https://www.youtube.com/watch?v=ZD6ApUw-zm8

Mónica Ferraz apresenta o seu novo trabalho: “Let Me Be

http://videos.sapo.pt/W86MnIzhI7c9SFNgCU4L

Na área da música portuguesa, com o mestre Pedro Osório, actuou no Casino da Póvoa tendo recebido o convite da cantora inglesa Jenny Evans para uma pequena digressão por Londres, assim como o convite de  Maceo Parker, que recusou, por já ter assinado o contrato com os Mesa.
A convite da fadista Mafalda Arnauth no seu disco “Encantamento”, gravou um tema com o título “Ó voz da minha’alma” na qual actuou, a convite da Mafalda, no teatro são Luís em Lisboa.
Em 2000 colaborou no disco do Pirilampo Mágico coordenado por Fernando Girão. Em 2007 colabora no tema “Eu Disse Que Sim” do segundo disco da Filarmónica Gil. Em 2009 participa no disco dos Blunder.
Participou também, a convite de João Gil para o disco da Fundação do Gil.
Ganhou o 3º lugar do Festival da Canção com o tema “Vai à procura” em 2000 e o prémio “Pereira de Melo” de melhor intérprete.
Decidida a envergar por outras áreas musicais, a cantora mudou de rumo passando a ser a voz dos Mesa.
Já com os Mesa, ganhou os Globos de Ouro com o melhor grupo de Pop Rock, e foi considerado pela revista BillBoard, um dos melhores grupos do Pop Rock Português, ficando em nono lugar.
A convite de Rui Reininho, subiu ao palco do Optimus Alive, e interpretou um tema dos GNR.

Destaques para os concertos: TMN ao Vivo (convidada de João  Pedro Pais), com Natiruts no MEO Sudoeste (Zambujeira do Mar), TMN – Sons do Mar (Funchal), Festas do Mar (Cascais), Marés Vivas (Gaia), Gala do Correio da Manhã TV, Concerto de Bolso da TSF, Milk Shake MEO Music com B4, Dia Mandela (Casa da Música), Grande Prémio de Portugal de F1 de Motonáutica (Alfândega do Porto) e participações especiais: “Factor X” e “The Voice Kids”.

 

ANDRÉ INDIANA BLUES BAND


ANDRÉ INDIANA BLUES BAND

 

https://www.youtube.com/watch?v=Q_uJHoenPqY

 

O nome André Indiana é reconhecido como sinónimo de Espectáculo e Mestria: a guitarra será uma extensão natural do seu corpo e talento; a voz o espelho da alma blues; e o espectáculo sinónimo do rock que nele vive.

No seu primeiro álbum, Music For Nations (2003), destacam-se os temas “Electric Mind” e “I Do”. Um disco forte, onde André Indiana já demonstra a sua faceta multi-instrumentista. Um excelente músico que passa da guitarra ao teclado, do baixo à bateria, com uma energia inesgotável.

Em 2006 regressa mais maduro, mais sólido, mais retro. O segundo álbum, Destilled & Bottled, aponta um estilo ainda mais marcante. A sua voz, com um poder contagiante, dá vida a 13 temas originais. Com uma profunda influência das sonoridades do Rock americano anos 70, onde predominam os sintetizadores, metais e cordas. Mais uma vez temas seus (“Rip Off” e “Tripping On The Edge of the Light”) são escolhidas para a banda sonora de uma série televisiva.

André Indiana já provou que veio para ficar e revolucionar a nova música que se faz Portugal. 2010 viu nascer mais um capítulo do percurso trilhado por Indiana, com a edição do terceiro disco de originais, o fantástico X-Glamour. Um registo directo, de puro rock and roll, sem espinhas, com músculo e muita alma. Composto por grandes canções, valentes guitarras e viciantes linhas melódicas, criadas com mestria pela mão de um dos músicos mais versáteis do panorama artístico nacional.

Em 2013, eis que surge o 4º álbum de Originais de André Indiana que, desta vez, não fugindo às suas origens, traz um disco bastante mais eclético. O primeiro single vinga nas rádios portuguesas tratando se de um dueto com Monica Ferraz – “Like a Legend”. Em 2014 o Artista está de volta aos palcos e à estrada.

 

Nos blues o seu estilo é caracterizado pela guitarra eléctrica e o som rock ao estilo americano dos anos 70. Usa nas suas músicas a sua mestria com a guitarra e é influenciado por nomes como Stevie WonderJimi HendrixZakk WyldePaul McCartney, entre outros. Em 2008, Indiana obteve êxito considerável com o single do seu segundo álbum, “Alone with you”, um dos temas que mais passou nas rádios portuguesas nesse ano.  Nesta versão de “blues man”, acresce às suas imensas qualidades de guitarrista e cantor, uma postura inesquecível em palco. Indiana actuou nos seguintes festivais: Gaia Blues, Marés Vivas, Festival TMN ( Funchal e Gaia), Rock in Rio, Festival de Sudoeste e no Seia Jazz & Blues.

André Indiana – Voz e Guitarra

Paulo Veloso – Piano e Hammond

André Holanda – Baixo

Pedro Martins – Bateria

 

TRIBUTO a RAY CHARLES

 João Galante a solo ou em trio

João Galante a solo ou em trio

Uma viagem inesquecível pelas grandes canções de um dos maiores génios da música. Temas como “Hit The Road Jack” e “Georgia On My Mind”, num concerto intenso e místico.

 João Galante, pianista, compositor e cantor, nascido em Luanda em 1962. Iniciou-se na música aos 4 anos, começou a estudar órgão aos 12 e, já em Portugal, concluiu o curso geral do Conservatório do Porto, profissionalizando-se aos 18. Fundou os Blues Corporation com os irmãos Gonçalves (Clã), interessando-se pela formação de novos músicos e lançando as bases para o Gallas Music Pick Talent Concept, método que assenta na observação empírica do aluno aliada à vertente científica que leva à identificação quase imediata das tendências musico /instrumentais de um indivíduo.

Radicado no Algarve, é professor de piano, guitarra clássica e bateria na Escola de Música de Albufeira.

Paralelamente, tem desenvolvido intensa actividade como concertista, apresentando-se com regularidade nos mais prestigiados palcos do país, seja em clubes de jazz, em festivais ou em hotéis de topo da região algarvia.

Tem tocado com consagrados músicos nacionais (Zé Eduardo, Nuno Gonçalves, Pedro Madaleno, Miguel Martins, Hugo Alves…) e estrangeiros, residentes ou de passagem pela região (Thilo Krassman, Duncan Kinnell, Matt Lester, Gary Cox um dos mais conceituados saxofonistas do Reino Unido, Paul M. Davidson, Javi Ortiz, Paulinho Lemos, Sávio Araújo, entre muitos outros).

Formou o Mo Jazz trio, juntando a sua faceta de compositor a uma interpretação plena de modernidade dos grandes clássicos do American Songbook. Regista influências da música brasileira, do funky e do blues.

Mentor e director artístico do Festival de Jazz de Albufeira durante 14 anos, apresentando nomes como The Bad Plus, Kevin Mahogany, Maria João / Mário Laginha, Jacinta, Martírio, Jessie Davis, Kirk Lightsey, Bobby Watson, Bernardo Sassetti, entre muitos outros.

Acrescenta ao seu perfil de músico dotado e versátil uma cada vez mais acentuada faceta de letrista, e os seus textos ajustam-se com grande coerência à música que brota, por vezes torrencialmente, do seu piano.

Lançou o seu CD de estreia em Dezembro de 2011, JG Sings “Jazz’n’Blues a la Carte”, verificando-se uma recepção muito favorável nas inúmeras apresentações, em trio ou a solo.

Encontra-se a preparar um novo trabalho, “Lusitana Blues”, um álbum de Blues, integralmente em português , que integrará temas originais ( letra e música), tais como Peneco Blues e Chamego, com os quias nos transporta numa viagem fantástica pelo mundo do Blues, com o seu toque de swing único e inesquecível.

Com ele colaboram na divulgação deste trabalho o baterista Miguel Samora e o contrabaixista André Ferreira

 

  

MÁRCIA BARROS

MÁRCIA BARROS

 É através da simplicidade que a arte se projecta e é partindo deste princípio que a bossa nova deve ser tocada. Seu timbre de voz é contralto, o que faz com que encaixe perfeitamente dentro desta concepção e o que traduz uma imagem de requinte. Gravou CD’s editados na Europa e no Japão, tais como “Márcia in Bossa” (Nylon – 2000) e “Bossa Nossa” (Sony Music – 2008).

Para o mercado latino, “Márcia In Bolero”, “Paraíso Tropical”, “Yo Soy Latina De Alma y Corason” (Music Publishing – 2004/2005). “Carioca Douro” foi o tema de um de seus shows onde interpretou temas de Tim Maia, Luis Melodia ao ritmo de bossa nova.

É, então, convidada para participar dos Boleros de Oro em Cuba na cidade de Havana todos os anos no mês de Junho representando Brasil e Portugal com grande êxito. Em Portugal participa, entre outros, de 2005 a final de 2007 no Festival de Jazz de Vila Real, Casino de Espinho, Casino do Estoril, Os Musicais (Lisboa), Clube Mau -Mau (Porto), Café Guarani (Porto), Galerias Mário Sequeira (Braga), Ópera do Malandro (Braga), CCB – Lisboa, B-Flat (Porto), Café Teatro Rivoli (Porto), Servartes (Porto), Blue Note (Ovar), Baile de Gala da Cruz Vermelha (Porto). Gravou em Setembro de 2008 um projecto com parceria com a Sony Music Entertainement, adaptando grandes êxitos do Pop/Rock português para bossa nova. Este projecto chegou ao Top 9 nacional de vendas.

Ao longo do ano 2009 participou do Festival Delta Tejo, Cool Jazz Festival, Festival Albuera, dentre outros tais como auditórios, teatros e casas de espectáculos por todo Portugal. Por muitos, considerada a embaixadora da bossa nova em Portugal, Márcia Barros mantém-se fiel a este estilo acústico e também ao jazz. No ano de 2009 e 2010 os Bossa Nossa, banda composta pelos músicos José Lima, Manuel Santiesteban, Cândido Elias e Paulo Barros, entraram em digressão pelo país fora. Participaram, entre outros, com frequência na agenda cultural do Peso da Régua (Museu do Douro), Vila Real (auditório), Porto (Casa da Música, Casa do Livro, Armazém do Chá, Clube Pop, Discoteca Twins, Club 3C, Lusitano, Restaurante 110, Vintage), Porto Leixões (Pavilhão da Exponor, B-Flat), Braga(BMW), Lisboa (auditório de Carnaxide, Twins, Esplanada do Rio), Algarve.

Em 2011 lançou, pela editora Valentin de Carvalho, o album em homenagem a banda de rock mais antiga portuguesa, chamado Marcia Barros e Tavynho Bonfá apresentam Xutos & Pontapés em Bossa Nova, com um parceria impar com o produtor, maestro e violonista Tavynho Bonfá. O album está a venda no Itunes e Music Box. Em 2014 lançou este mesmo album no Brasil – São Paulo.

Márcia Barros – Voz

Luís Nunes – Flauta

Cândido Elias – Guitarra

António Ferro – Baixo

Manuel Santiesteban – Bateria

  

MADE in JAZZ

 MADE in JAZZ

http://www.youtube.com/watch?v=zFNdy5JuaAA

Made in Jazz, segue o projecto iniciado no final dos anos 90 do KAF, um quinteto que recuperou a música tradicional para o jazz. Na altura, o disco “Crepúsculo do Vinho”, foi uma verdadeira fusão entre o jazz e a música tradicional portuguesa, com espaço para composições originais e alguns standarts, apresentados de uma forma inovadora. Este quarteto apresenta um repertório inovador, já que se baseia na música de cantautores portugueses (José Afonso, Fausto, Sérgio Godinho, Jorge Palma, etc…)

António Ferro, gravou o primeiro disco de blues em Portugal, com a Go Graal Blues Band e o primeiro disco do Quinteto de Maria João. Acompanhou as cantoras de jazz:  Maria Viana, Paula Oliveira e Maria Anadon. Tocou com: Liz McComb, Diunna Greenleaf, Chris Jagger (irmão de Mick Jagger), Flora Purim, Airto Moreira, Al Di Meola e Wynton Marsalis.

Hugo Lopes – Sax Tenor

Francisco Seabra – Piano

António Ferro – Baixo

Manuel Santiesteban – Bateria

 

 

HOLLYWOOD TRIO

HOLLYWOOD TRIO

As canções que contam a história do cinema americano

Dois músicos e um actor/cantor, prepararam um projecto onde revisitam a história do cinema americano, através das melodias que marcaram definitivamente o século XX. Esta viagem pelos temas mais significativos de Hollywood, é apoiada numa narração explicativa ao público, onde se dá a conhecer os dados referentes à identidade da cada filme.

…As luzes acendem-se, o público em silêncio…and The Show Must Go On, é o mote deste tributo.

De “Smile” de Charlie Chaplin a “Cabaret” de Liza Minnelli, passando por “Over The Rainbow”, “Dream a Little Dream”, “Summertime”, “Moon River”, “It’s One a Paper Moon”, “New York, New York”, “Diamonds are a girl best friend”, “Miss Celie’s Blues”, “The Hills are alive”, “When You Wish Upon a Star” e tantos outros temas que de uma forma ou outra, marcaram as nossas vidas.

 

João Santos – Voz

Francisco Seabra – Piano

António Ferro – Baixo

 

 

Toots & Gappelli Trio

Toots & Gappelli Trio

 

Um surpreendente multi-instrumentista Luis Trigo que adiciona às suas capacidades e qualidades técnicas do violino, o virtuosismo da harmónica cromática, acompanhado pela talentosa guitarra de Sandro Norton e pelo experiente baixo de António Ferro, proporcionam-nos um tributo a dois dos maiores nomes do jazz – Stéphane Grappelli e Toots Thielemans.

Grappelli e Toots vieram mostrar o jazz fora do seu ambiente instrumental tradicional do saxofone e do trompete e como ele pode ser interpretado em qualquer instrumento e de forma tão enriquecedora.

Canções como: Ain’t Misbehaven, Nuages, Star Eyes, Bluesette, Sous Le Ciel de Paris, Manhã de Carnaval e Sophisticated Lady, celebram um concerto de homenagem a duas lendas que marcaram definitivamente a música que revolucionou o século XX – O Jazz!!!

 

Luis Trigo – Harmónica cromática e Violino

Richard Okkerson – Guitarra

António Ferro – Baixo

 

Tiago Nacarato

Tiago Nacarato

Tiago Nacarato é um jovem músico português de raízes brasileiras que dá a conhecer a nova MPB (Música Popular Brasileira). A sua voz e o seu violão criam uma simbiose única. Acompanhado por António Ferro no baixo e Rubício Santos, fazem uma viagem pela Bossa Nova, pelo Samba, e pela música de António Zambujo

http://www.youtube.com/watch?v=RY2qedBBzZ8&feature=share

 

 

SÓ BRASIL

SÓ BRASIL

Uma viagem pela MPB, desde os clássicos (Jobim, Vinícius, Milton Nascimento), aos contemporâneos (Djavan, Lennine, Maria Rita, Maria Gadu).

Acompanhada pelo balanço rítmico da guitarra acústica de Filipe Machado e pelo baixo acústico de António Ferro, Sandra Rolão surpreende pela beleza do seu timbre e pela personalidade imponente da sua interpretação.

“De repente do riso fez-se o pranto

Silencioso e branco como a bruma

E das bocas unidas fez-se a espuma

E das mãos espalmadas fez-se o espanto”

 

Vinicíus de Moraes

 

  

TATI & os ROQUEIROS

TATI & os ROQUEIROS 

Uma viagem pelo mundo do Rock/Pop.

 São interpretadas grandes canções de autores incontornáveis do repertório internacional, como: Beatles, Credence Clearwater Revival, Rolling Stones, Peter Frampton, Eric Clapton, Led Zepelin, The Doors, Oasis, Guns and Roses, Bon Jovi e Michael Jackson, entre outros.

Workshop à tarde para escolas – O Rock Vai à Escola

Aproveitando a presença dos músicos, será realizada manhã/tarde uma sessão para as escolas (5º ao 9º ano), onde se fará uma viagem pela história do rock.

Sérgio Morais – Voz e guitarra acúsica

João Pedro Silva – Guitarra acústica

António Ferro – Baixo acústico

Vitor Buluk – Bateria

 

DELTA BLUES RIDERS

DELTA BLUES RIDERS

Uma viagem pelo universo dos blues, numa estrada de confissões, como quem se encosta ao balcão a desabafar com o barman. Revelam-se histórias de quem percorreu o delta do Mississipi, a Interstate 55 de New Orleans a Chicago. Pelo caminho reviveu amores, perdeu-se em paixões, desgraçou-se no jogo, afundando-se em dívidas … Culmina na procura da rendição através do gospel ao som do órgão hammond, nos blues de uma harmónica perdida no deserto ecoando com os latidos dos coiotes errantes e ao som de uma guitarra slide…

 

Paulo Veloso – Voz, harmónica, guitarra, piano e hammond.

Jorge Loura – Voz e guitarra

António Ferro – Baixo

Miguel Pardal – Bateria

 

 

B FLAT BLUES BAND

B FLAT BLUES BAND

A B Flat Blues Band nasceu no extinto clube de jazz, B Flat Jazz Club.

O repertório deste grupo é baseado no disco “Playing With My Friends” de Tony Bennett. Conta com um elenco, composto por grandes músicos nacionais com inúmeros créditos no mercado. Músicos que já actuaram com: Go Graal Blues Band, Rui Veloso, GNR, Mable John (cantora de Ray Charles), Liz McComb, Diunna Greenleaf e Chris Jagger (irmão de Mick Jagger).

A BFBB já actuou nos festivais: Gaia Blues, Funchal Jazz, Seia Jazz & Blues e Santa Maria Blues.

Músicos: Miguel Pires na voz, António Mão de Ferro na guitarra, Paulo Veloso no piano e hammond, António Ferro no baixo e Chico Cardoso na bateria.